quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Principais Problemas do Meio Ambiente


Instituto UFC Virtual
Pró-Reitoria de Pós-Graduação 
Coordenadoria de Pesquisa, Informação e Comunicação de Dados 
Divisão de Planejamento e Ensino 
Curso: CFCT - Curso de Formação Continuada de Tutores Turma 2012/2 
Turma: T-21 - MEC/SECADI - Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão 

Coordenação - Dra. Raquel Santiago Freire 
Professor Formador: Fernando Antonio de Castelo Branco e Ramos 
Cursista; Tiago Estevam


Meio Ambiente e Ação Antrópica 

O início do século XX é marcado pelos primeiros sinais de alerta sobre as ações predatórias provocadas pelo homem na natureza e as consequências que já começam a aparecer. Começa a se desenhar uma nova visão da relação homem-natureza. O aumento da população e o modo de vida baseado no consumo exacerbado estão sempre acompanhado de destruição, uso inadequado ou desperdício de recursos naturais. Esses problemas surgiram primeiramente na Europa, e em seguida, na América do Norte, pois foi nessas partes do mundo que a revolução Industrial teve suas fases iniciais.


video


Por isso, as primeiras manifestações no sentido de conservar a natureza e melhorar as condições do meio ambiente ocorreram nas sociedades européias e norte-americanas. Com a expansão industrial problemas ambientais foram surgindo ou intensificando-se. É necessário esclarecer a natureza não significa guardá-la, quer dizer utilizá-la racionalmente, aproveitar os seus recursos sem desperdícios, modificá-la sem causar-lhe estrados ou qualquer tipo de poluição.

Os problemas ambientais resultam de intervenções antrópicas, causando impactos socioambientais que levam a uma diminuição da qualidade de vida.


v  Aquecimento Global

De acordo com Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, 2001: Aquecimento global é um fenômeno climático que acomete o aumento da temperatura média da superfície do globo terrestre. Entretanto, as causas do aumento da temperatura são discutidas entre os pesquisadores. Algumas causas como as antrópicas e naturais são propostas para explicar o aquecimento global.
Aquecimento da temperatura média na Terra; recebeu esse nome porque o processo é semelhante ao produzido pela passagem da luz através do vidro de uma estufa, que não permite a saída do calor. 








A radiação do sol entra facilmente na atmosfera, aquecendo a superfície da Terra e provocando a emissão de radiação infravermelha. Gases como o dióxido de carbono (gás carbônico -CO2), cuja concentração na atmosfera tem aumentado em conseqüência da poluição, absorve a radiação infravermelha e impedem que o calor deixe a Terra; a maior concentração de dióxido de carbono na atmosfera se deve, principalmente, ao aumento do uso de combustíveis fósseis; automóveis e usinas de energia contribuem com 75% do gás carbônico liberado em nações industrializadas; a devastação e a queima de florestas tropicais também contribuem para a maior emissão de dióxido de carbono.

Fórum: Possamos realizar uma discussão sobre os problemas ambientais e suas repercussões no planeta nos diversos aspectos: ambientais, sociais, políticos, econômicos e culturais.


v  Inversão térmica

No inverno, em certas condições de incidência dos raios solares ou do movimento das massas de ar, uma camada de ar quente pode ficar presa entre camadas de ar frio. O ar quente, impedido nesta situação de subir, não dispersa os gases. Geralmente o fenômeno da inversão térmica ocorre com tempo estável, sem chuvas e ventos. Quanto mais baixa estiver a camada presa, pior será o efeito da inversão.



v  Chuva ácida
chuva, neve ou neblina, com pH mais baixo que o neutro e nível de acidez mais elevado, por ação de resíduos provenientes principalmente da queima de carvão de derivados de petróleo, ou gases de núcleos industriais poluidores acumulados na atmosfera. A água das chuvas "lava" a atmosfera, os gases e produtos químicos entram no ciclo hidrológico e retornam a superfície da terra. A quantidade de poluentes dissolvidos na chuva muda o pH da água e eleva seu nível de acidez, provocando a corrosão em monumentos e edifícios, alterando o equilíbrio químico de lagos e rios afetando vegetais e animais. É mais comum em regiões de clima temperado. Compostos de enxofre e nitrogênio são os principais componentes desta chuva, que pode se manifestar tanto no local de origem, como a centenas de quilômetros de distância.


v  Redução da Camada de Ozônio
 O gás ozônio (O3), cuja molécula é composta de três átomos de oxigênio; é um gás azulado, presente em toda a atmosfera. Porém cerca de 90%, está concentrado na estratosfera, numa camada de aproximadamente 20 km de espessura e distante cerca de 25 km da Terra formando uma espécie de capa protetora, capaz de filtrar os raios ultravioleta (UV), proveniente do sol. A camada de ozônio está em equilíbrio dinâmico, ou seja, é produzida e destruída constantemente, renovando-se sempre, como parte de um ciclo natural. Mas, na década de 70, cientistas descobriram que uma substância sintética chamada clorofluorcarbono (CFC) largamente empregado na indústria, como propelente de aerossóis, em refrigeração e como agente expansor na fabricação de espumas; é o principal responsável pela formação do buraco de ozônio, aumentando com isso os níveis de radiação UV sobre a superfície. Sem a camada de ozônio, os raios ultravioleta atingem a superfície da Terra, causando sérios problemas à saúde humana, como câncer de pele e doenças oculares. Os ecossistemas são também abalados devido à alteração na cadeia alimentar, uma vez que algumas espécies de plantas e animais são mais sensíveis à radiação ultravioleta. Por razões climatológicas peculiares ao Pólo Sul, a redução tem sido mais drástica sobre o continente antártico, mas atinge quase todo o planeta.

video


Chat: O Documentário: Histórias das Coisas é uma excelente oportunidade de pensar sobre valores, atitudes da sociedade moderna, assista o mesmo com olhar crítico relacionando com os problemas ambientais



v  Ilhas de calor:

É um fenômeno climático que ocorre nos centros das grandes cidades devido aos seguintes fatores: [

- Falta de áreas revestidas de vegetação.
-Impermeabilização dos solos pelo calçamento e desvio da água por bueiro e galerias, o que reduz o processo de evaporação.
- Concentração de edifícios, que interfere na circulação dos ventos.
-Poluição atmosférica que retém a radiação do calor, causando o aquecimento da atmosfera (Efeito estufa)
-Utilização de energia pelos veículos de combustão interna, pelas residências e pelas indústrias, aumentando o aquecimento da atmosfera.






redondezas de uma grande cidade, há absorção de 75% de calor enquanto no centro dessa cidade a absorção de calor chega a significativos 98%! O nome ilha de calor dá-se pelo fato de uma cidade apresentar em seu centro uma taxa de calor muito alta, enquanto em suas redondezas a taxa de calor é normal. Ou seja, o poder refletor de calor de suas redondezas é muito maior que no centro dessa cidade.

v  Desertificação

Seca, desertização e desertificação são fenômenos distintos e que se confundem. A diferença entre eles, mais do que um jogo de palavras, poderá ser determinante na definição de quais países receberão recursos internacionais.
Uma convenção internacional sobre desertificação foi discutida por mais de 170 países. Ela abordou novas linhas de financiamento para áreas desertificadas.
Desertificação é um processo de degradação da capacidade produtiva das regiões secas pela ação do homem. Uma zona desertificada deixa de ser produtiva. A recuperação é possível, mas o custo pode ser produtivo.

A definição internacional de desertificação baseia-se no resultado de uma equação que revela o índice de aridez de uma região. Divide-se a evaporação pela precipitação. Se o índice estiver entre 0,05 e 0,65 pode tratar-se de uma região desertificada.
Somente o Nordeste, no Brasil, enquadra-se nesta definição. 


video


v  Poluição dos Rios

A sociedade humana é sem dúvida poderosa para transformar o seu entorno, contudo essas intervenções provocam uma modificação no sistema ambiental, devido à interconexão existente dos elementos naturais e sociais.

Afinal, o que é poluição?

É a alteração das características do meio ambiente por quaisquer ações ou interferências, sejam elas naturais, sejam provocadas pelo homem. Podem produzir impactos estéticos, fisiológicos ou ecológicos. A poluição acontece em escala global e escala local.


Nessa perspectiva, a preservação dos recursos hídricos apresenta-se como grande dilema e importância da sociedade capitalista nas últimas décadas, pois quando não se protege estes recursos, esta mesma sociedade corre o risco de perder alguma de suas atividades econômicas bem como a qualidade de vida e ambiental.
As transformações socioambientais estão diretamente ligadas à degradação dos ecossistemas naturais, como poluição de lagoas, rios e mares, diminuição da biodiversidade vegetal e animal, ocupação de áreas vulneráveis.

A água é um recurso natural essencial à vida. Em vários momentos da história da sociedade humana a ocupação de um território manteve relação de dependência com este recurso natural. Nesta perspectiva fica evidente que os recursos hídricos deveriam ser preservados contra a ação humana, evitando assim que haja poluição das águas, desse modo é essencial um longo e contínuo processo de estudo das questões ambientais bem como uma conscientização ambiental.



Portfólio: Estudamos alguns dos principais problemas ambientais que afligem o planeta, escolha um problema ambiental, e elabore um texto. 





sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Avaliação contínua

Instituto UFC Virtual
Pró-Reitoria de Pós-Graduação 
Coordenadoria de Pesquisa, Informação e Comunicação de Dados 
Divisão de Planejamento e Ensino 
Curso: CFCT - Curso de Formação Continuada de Tutores Turma 2012/2 
Turma: T-21 - MEC/SECADI - Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão 
Aula 04 - Avaliação
Coordenação - Dra. Raquel Santiago Freire 
Professor Formador: Fernando Antonio de Castelo Branco e Ramos 
Cursista; Tiago Estevam

Caros leitores, fiz uma pequena reflexão sobre avaliação contínua e com base em Luckesi.

Uma avaliação contínua o professor educador deve possuir conhecimento e habilidades suficientes para viabilizar uma avaliação contínua e auxiliar assim o seu conhecimento no processo de ensino aprendizagem. Deve ser suficientemente capacitado e habilitado para compreender o nível de conhecimento do aluno.
Quando o professor age dessa forma está contribuindo para o crescimento intelectual do aluno, assim a avaliação deve significar precisamente o cuidado com a qualidade do ensino. Como afirma LUCKESI (2002, p. 83):
A avaliação realizada com os alunos possibilita ao sistema de ensino verificar como está atingindo os seus objetivos, portanto, nesta avaliação ele tem uma possibilidade de auto-compreensão. O professor, na medida em que está atento ao andamento dos seus alunos, poderá, através da avaliação da aprendizagem, verificar o quanto o seu trabalho está sendo eficiente e que desvios está tendo. O aluno, por sua vez, poderá estar permanentemente descobrindo em que nível de aprendizagem se encontra, dentro de sua atividade escolar, adquirindo consciência do seu limite e das necessidades de avanço. Além disso, os resultados manifestados por meio dos instrumentos de avaliação poderão auxiliar o aluno num processo de auto-motivação, na medida em que lhes fornece consciência dos níveis obtidos de aprendizagem.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Depoimento de Professora que ensina com Amor

video

Discutindo os cinco pilares de Paulo Freire na Aprendizagem


UFC - Universidade Federal do Ceará
  Instituto UFC Virtual
  Pró-Reitoria de Pós-Graduação
  Coordenadoria de Pesquisa, Informação e Comunicação de Dados
  Divisão de Planejamento e Ensino
  Curso: CFCT - Curso de Formação Continuada de Tutores Turma 2012/2
  Turma: T-21 - MEC/SECADI - Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão
   Coordenação - Dra. Raquel Santiago Freire
  Professor Formador: Fernando Antonio de Castelo Branco e Ramos
  Cursista:
 Tiago Estevam Gonçalves

Paulo Freire em seu livro pedagogia do oprimido nos faz pensar a respeito da educação. Este autor supracitado dos colocar a concepção bancaria da educação como instrumento da opressão. Neste contexto, a tarefa do educador e “encher” o educando dos conteúdos de acordo com sua narração. Conteúdos que são retalhos da realidade desconectados da totalidade em que se engendram e em cuja visão ganhariam significação.
“O professor é o sujeito que conduz os educandos à memorização mecânica do conteúdo narrado. Mais ainda, os transforma em ‘vasilhas’, e recipientes a serem “enchidos” pelo educador, ou seja, ou alunos são meros depósitos”. (FREIRE, 2005: 66).
Gostaríamos de destacar este tipo de educação que ainda é bastante comum nas escolas, tornando a prática educativa um simples ato de depositar conhecimentos.  Esta é a chamada concepção bancária que Paulo Freire nos fala, concordamos com o autor acima, pois este não concorda e não aceita esta forma de educação.
A educação neste modelo torna-se uma prática vazia de dominação, por isso criticamos, pois o objetivo de ensinar é o comprometimento com a liberação do pensar do educando, dando-lhe ferramenta de aprofundar o entendimento da realidade.
“Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmos, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”. (FREIRE, 2005:78).
 Parafraseando Freire nos fala a respeito da educação problematizadora, esta não se detêm ao de depositar ou transmitir conhecimentos. Nos coloca a exigência da superação da contradição educador-educando. Por podemos assim tem uma relação de dialogo, indispensável no processo de ensino-aprendizagem.
A função mais importante do educador e é de despertar e desenvolver o pensamento produtivo, ou seja, ensinar o discente a pensar. A aprendizagem passiva, aquela em que o professor estabelece a estrutura do assunto, repassando-a para o aluno, torna-se muito limitadora. Isso pode criar um profissional que só se sai bem quando pode ser aplicado diretamente o que foi aprendido. Esse despertar não pode ser desvinculado dos pilares de Freire: Humildade, Fé, Amor, Esperança e um pensar crítico.
Já na aprendizagem ativa permite que o discente ultrapasse a fronteira entre o aprender e o pensar. Pensar neste caso é definido como operação de ir além daquilo que foi estudado. É refletir, generalizar, analisar as consequências e as possibilidades de aplicação daquilo que foi aprendido.
Conclui-se considerando, a aprendizagem como  um processo mental que ocorre no interior do individuo, gerando consequentemente mudanças internas, devido a uma “nova descoberta”. Podendo ou não ser percebida na mudança de comportamento do individuo, como resultado de aprendizagem.


domingo, 4 de novembro de 2012

Os questionamentos e o desenvolvimento do educando


Em relação à importância da presença de proximidade e abertura de espaços de questionamentos entre o educador e alunos, Freire (1999, p.155) comenta o seguinte:

Já sei, não há duvida, que as condições materiais em que e sob que vivem os educandos lhes condicionam a compreensão do próprio mundo, sua capacidade de aprender, de responder aos desafios. Preciso, agora, saber ou abrir-me à realidade desses alunos com quem partilho a minha atividade pedagógica. Preciso torna-me, se não absolutamente intimo de sua forma de estar sendo, no mínimo, menos estranho e distante dela. E a diminuição de minha estranheza ou de minha distância da realidade hostil em que vivem meus alunos não é uma questão de pura geografia, minha abertura à realidade negadora de seu projeto de gente é uma questão de real adesão de minha parte a eles e a eles, a seu direito de ser.

Diante disso fica claro que para o aluno aprender é preciso ser mais participativo durante as aulas, já que muitas vezes em seu ambiente familiar não há uma continuidade das práticas de aprendizagem. Assim o âmbito escolar deve ser aproveitado ao máximo, havendo desta forma momentos juntamente com o professor, para tirar suas dúvidas sem constrangimento.

Relação Professor-Aluno

O professor deve utilizar os resultados de sua ação pedagógica para com o aluno verificar seu desempenho. Nesse sentido, Freire(1999, p. 80) afirma “[...] como professor preciso me mover com clareza, preciso conhecer as diferentes dimensões que caracterizam a essência da prática, o que me pode tornar mais seguro do meu próprio desempenho”.  

Escola


Escola é...
O lugar onde se faz amigos não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos...
Escola é, sobretudo, gente, gente que trabalha, que estuda, que se alegra, se conhece, se estima."
Paulo Freire.